Convidamos a maior da Alemanha teenie-estrelas para uma conversa. O Ochsenknecht e os irmãos Kaulitz!

SZ-Magazin: Exatamente 18 anos atrás, o muro de Berlim caiu, o que esse dia significa para você?
Bill: As pessoas celebram, e nós celebramos com eles, mesmo que não eramos realmente afetados por ela. Mas estamos felizes que lucraram com a queda do muro.
Jimi Blue (JB): Meu pai me falou sobre isso, mas um verdadeiro significado, não realmente, bem, talvez um pouco.
Tom: Honestamente, eu realmente não me importo para esse dia.
Wilson Gonzales (WZ): Certamente é comovente ver reportagens na TV sobre como as pessoas felizes eram naquela época, quando eles romperam o muro e foram capazes de abraçar as pessoas do outro lado. Quando vejo, eu percebo o quão ruim deve ter sido viver atrás de uma parede assim.

O que você associa com a DDR (Alemanha Oriental)?
Tom: Outro dia, alguém na Itália nos perguntou se nós estamos animados porque somos do leste da Alemanha e somos capazes de ver Roma agora. E uma vez, as pessoas ainda nos ofereceram bananas.
WG: Eu fui a uma escola de arte em Los Angeles por um ano e as pessoas ficavam me perguntando sobre o que Hitler está fazendo agora, e se nós realmente temos frigoríficos na Alemanha. Alguém precisa bater na cabeça dos americanos para que compreendam que a Alemanha é um país normal. Há muita gente nos EUA que ainda acreditam que um monte de alemães ainda pensam em Europa Oriental, ou seja, que são totalmente atrasados e desinteressantes. Quando eu penso no DDR, só a bandeira vem à mente com o martelo e a foice. E quanto a você, Jimi?
JB: o quê?
Bill: * risos * Não prestou atenção, aw!
JB: Bem, eu também só me lembro da bandeira.

WG e JB cresceram em Grünwald, que é um bairro chique em Munique e eles nasceram em uma família popular; Bill e Tom, vocês são de Loitsche, uma aldeia em Magdeburg. Vocês diriam que suas infâncias foram mais difíceis?
Bill: Leste e oeste não faz diferença. Nós também não fazemos isso de “Ossie” (pessoas do leste da Alemanha) e “wessi” (pessoas do oeste da Alemanha) as diferenças são todas, aquelas expressões nem sequer existem mais para nós, exceto talvez para os nossos professores. Acho que a diferença é muito maior: nós crescemos em uma aldeia e vocês na cidade.
WG: Grünwald é apenas uma aldeia, mas é verdade, é perto da cidade e é por isso que, provavelmente, fiquei por lá mais tempo. Além disso, nós acompanhamos o nosso pai para estréias ou filmagens de vez em quando.
Tom: Crescer em uma aldeia não é ao todo ruim, pelo menos até que você esteja de uma certa idade. Quero dizer, onde na cidade você pode construir uma casa da árvore? Por outro lado, Bill e eu sempre chamamos a atenção indesejada para nós, porque eramos diferentes das outras pessoas. É por isso que tenho sonhado me mudar para Berlim desde que era novo porque todo mundo lá pode correr o quanto eles querem.
Bill: A liberdade sempre foi a coisa mais importante para nós. é por isso que eu tenho “Freiheit” tatuado no meu braço esquerdo, o que fiz pouco antes do nosso aniversário de 18 anos.

Vocês ainda pode se lembram de sua primeira viagem a Berlim?
Bill: Claro, quando tínhamos 12 anos, pegamos um trem e fomos para lá. Tom e eu mal tinhamos dinheiro, mas queriamos ir até a torre de tv. Lá em cima, tomamos um café com leite muito caro, evidentemente fingimos ser capazes de pagá-lo.
WG: Eu tinha 6 ou 7 e só me lembro de ir de metrô e estar em um sushi-bar. Berlin era como um pequeno distrito de Nova York para mim naquela época, eu ainda me lembro disso. Hoje, eu acho que as pessoas em Berlim são muito mais amigáveis do que em Munique. Eles não se importam o que você está vestindo, mas o que você tem no cérebro. Berlim não é necessariamente o mais limpo, mas certamente a cidade mais artística na Alemanha.
JB: Verdade, havia um monte de pessoas presas em Munique. Tudo é muito mais confuso, em Berlim, há pessoas mesquinhas e punks, um casal de malucos… tudo é possível.

Vocês estão na estrada muito mais do que outros adolescentes da sua idade para ir a concertos e filmagens. Onde é que vocês realmente se sentem em casa?
Bill: Na Alemanha, todo o caminho onde eu me sinto muito mais em casa, em hotéis alemães do que em hotéis em Moscou ou Paris, não importa o quão luxuosos que são. Especialmente a língua dá uma sensação de estar em casa.
WG: Verdade, isso é o que eu realmente descobri durante meu ano na america, casa não tem nada a ver com uma determinada cidade ou lugar. E outra coisa eu notei: um monte de pessoas estão deixando a Alemanha. E eles estão errados. A Alemanha é um país incrível, muito melhor e mais positivo do que nos EUA. Os americanos são muito artificiais e as coisas estão sendo controladas pelo estado lá. Você não tem álcool até que você esteja com 21 anos e você não pode mesmo fumar em sua própria casa, mais quando você vive em um apartamento (ooohh, eu espero estar certo * vesgo*) você tem que imaginar isso!
JB: Bem, acho que a América é melhor do que a Alemanha. É quente, as pessoas são legais, eles tem lindas praias, Venice Beach e Las Vegas. Eu gostaria de morar lá um dia.
Tom: Em outros países, há um monte de coisas que você tem que se acostumar como por exemplo, que as coisas podem ser muito desorganizadas, as vezes. Os alemães são geralmente melhores nas coisas de planejamento, como o “Echo” prêmios em Berlim onde começou a arrumar há dois dias em Itália, por exemplo, mostra como grandes que estão a ser filmados imediatamente. Ou em Moscou: não tinha nem terminado de construir o palco uma hora antes do show.

Há algo que você não gosta na Alemanha?
Bill: Claramente o sistema escolar. Eu dou nota F.
WG: Especialmente na Baviera!
Tom: O sistema escolar alemão difere de lugar em lugar, em um nível diferente. Quando você vem para outra cidade porque você se mudou, por exemplo, você sente como se você se encontrasse em um planeta completamente diferente.
WG: Eu mudei de escola algumas vezes e detestava matemática em uma escola e alemão na outra, isso é estranho.
JB: É por isso que eu abandonei a escola por completo. Eu ainda tinha um professor particular por causa da educação e outras coisas mas a escola não é o meu tipo de coisa.

Há este termo de “mesquinhez alemã”. Quem ou o que você acha que é mesquinho?
WG: As crianças nos clubes chiques em Munique, o “P1”, por exemplo, que jogam o dinheiro do seu pai em volta e correm ao redor com camisas polo e colares, esses são mesquinhos. Eles acham que podem impressionar as pessoas com cartão de crédito do papai. Estou orgulhoso de ganhar meu próprio dinheiro e poder convidar meus amigos para uma bebida de vez em quando.
Bill: Eu sou mesquinho quando se trata de uma coisa: ser pontual, o que é realmente importante para mim, e ser confiável.
JB: Eu sou muito mesquinho quando se trata de alimentos. Eu sempre preciso de dois garfos, um para o prato principal e um para a salada. E se eu ver, mesmo um pequeno ponto sujo no chuveiro, eu odiaria não limpá-lo por completo.
Tom: Para mim, as pessoas mesquinhas são as pessoas que são intolerantes, que não tem maneira de expressar-se e estão sempre vivendo segundo as regras. E eu não quero dizer das leis, mas regras que fizeram a si mesmos ou deixar que outras pessoas fazem por si mesmos. Pessoas que só fazem o que outras pessoas lhe dizem, para que nunca ultrapassam os limites “não faça isso! você não deveria fazer isso! “a gente vivia em uma casa isolada, uma vez, em uma área com jogos e outras coisas e do homens, havia algumas pessoas realmente mesquinhas lá. Mas já estamos longe de tudo.

Os últimos dois dias atrás, a mídia tem falado muito sobre o “Outono Alemão”. RAF – isso lhe diz alguma coisa? (RAF)
WG: Havia esse grupo terrorista, e eles deviam perder de novo. Ou não? ou eles apenas protestam contra deixá-la livre de novo?
JB: Eu li algo sobre isso no Spiegel. O que foi interessante, porque está perto de Grünwald Straßlach onde alguém foi morto naquela época, um presidente ou algo assim, pelo menos, há uma placa memorial lá.
WG: Punk foi fundado ao mesmo tempo, o que honestamente me interessa mais do que a RAF.

O foco principal da RAF foi, entre outros, dividir a riqueza de forma diferente e distante, de forma mais justa. O que você acha sobre isso?
WG: As pessoas que estão no fundo hoje em dia não costumam nem fazer um esforço para subir até o topo. Eles não se esforçam o suficiente e talvez por isso eles se tornam criminosos.
JB: Eu acho muito sobre isso, você sabe, porque esse é o caso que os povos ricos acham qe tudo se resolve com presentes e as pessoas mais pobres tem que comprar tudo eles mesmos. Quando eu ficar mais velho, eu realmente vou mudar alguma coisa sobre isso, eu não sei o que, mas vou, pelo menos, experimentá-lo.
Tom: Ainda existe algum tipo de classe média na Alemanha. Como nossa família, por exemplo, que não eram nem ricos nem pobres. No final, todo mundo tem que fazer seu próprio caminho e aprender a lidar com as frustrações de todos os tipos. Nós tranformamos em música, outros estão demonstrando ou lutando kick-boxing.

Que tipo de frustração?
Bill: Nós costumamos rebelar-nos para nós mesmos. Nós odiavamos a escola e nossos professores foram muito ruins. A minha grande vantagem sempre foi a de que eu sabia dos meus direitos. Por exemplo, eu sabia que quando os testes que não foram entregues de volta no tempo terminariam. Nossa mãe teve que correr para a escola quase todos os dias para ouvir sobre como seus filhos foram horríveis.
JB: Quando eu estava na quinta série, professores usavam para me mobilizar frases do tipo: “Você acha que é algo melhor do que o resto porque seu pai é Uwe Ochsenknecht”
WG: Sim, os professores usavam para gritar conosco muito, eu ainda tive nove repreensões em uma semana uma vez. Pouco antes de me jogar para fora uma vez por todas e eu sair da escola.

Che Guevara costumava ser um ídolo adolescente naquela época, quem é seu herói agora?
Tom: Quando ainda costumava ir a clubes, um monte de pessoas usavam camisas de Che Guevara. Havia um monte de manifestações acontecendo ao nosso redor, também iniciados por punks, então rebelião foi definitivamente um tema importante na época.
WG: Eu costumava estar junto com cerca de 3.000 punks na Marienplatz para protestar contra o NPD (o partido neo-nazista na Alemanha). Mas no geral, não há um monte de razões para protestar contra coisas na Alemanha. Se eu estivesse morando nos EUA, eu poderia pensar em milhares de razões, mas por aqui?

Há políticos que vocês gostem?
Bill: Eu não falo sobre coisas assim. Eu não quero manipular ninguém pela minha decisão pessoal ou minha escolha de voto. Todo mundo tem que ter sua própria opinião.
Tom: Mas nós definitivamente vamos votar, já que estamos, finalmente, com 18 anos.
WG: As partes podem entrar em guerra uns contra os outros para todos os cuidados. Quando eu completar 18 anos, eu definitivamente estou indo votar e então eu também vou me informar adequadamente sobre o assunto. Agora eu tenho ídolos diferentes, como o músico Tom Morello, por exemplo (o guitarrista do Rage Against the Machine). Ele está tocando de graça durante as manifestações para apoiar boas causas. Ele não se importa com o dinheiro, mas sim com a causa.

Vocês nasceram diretamente na Era Kohl. Vocês se lembram dele? (Hemult Kohl)
Tom:* forma uma pêra com a sua mão* aquele tipo de cara grande?

E Gerhard Schröder? (Gerhard Schröder)
WG: hm, SPD?
Tom: * risos * sim, eu soube também.

Sua geração foi marcada pela guerra fria, de Chernobil, a floresta da morte e átomo de energia. Qual foram os acontecimentos importantes, os pontos de viragem da sua juventude?
WG: Certamente 11 de Stembro, mas principalmente o que aconteceu depois. Eu estive vendo um monte de documentários sobre o ataque ao WTC e eu percebi: no final, os norte-americanos batiam em si com suas próprias armas, uma vez que permitiu Bin Laden, em primeiro lugar. Foi quando eu percebi o quanto o mundo hoje está funcionando e que a América é o mundo-policial que está batendo em um negócio de todos. De um lado, eu tenho certeza que eles querem ajudar, mas por outro lado, eles querem obter o maior lucro possível com isso, ao mesmo tempo. A Alemanha é muito mais descontraída sobre tudo isso, eles fazem o que eles acham que é certo e não deixar-se ser arrastado para todos os tipos de merda.
Bill: É claro que um monte de coisas aconteceram durante a nossa infância, o que nós pensamos, principalmente, é claro 11 de Stembro. Ainda, procuramos não deixar nossos medos nos impedem.

Você pode imaginar entrar para o exército e talvez até mesmo ir ao Afeganistão para ajudar a reconstruir o país de novo?
JB: De nenhuma maneira. Sou tão preguiçoso. estar sempre no limite, dando 100%, isso seria muito desgastante para mim. Eu vou estar fazendo serviço social, com certeza. Eu não seria nada, mas com medo no Afeganistão, que não é por isso a minha xícara de chá.
WG: O exército já me recusou devido ao meu peito funil. Mas o exército não é meu tipo de coisa, eu prefiro ficar pelos meus amigos e ajudar em residências ou casas sociais deficientes.
Tom: Vamos pensar que somos convidados para o exame médico para o serviço militar.

Como vocês gostariam de viver quando ficarem mais velhos?
Tom: como os Stones. Eu quero estar de pé no palco toda a minha vida.
Bill: Eu gostaria de ter minha própria marca um dia e um apartamento em outro país. E ainda: as minhas raízes estão na Alemanha e eu sempre querer voltar aqui.
JB: Eu gostaria de ser um designer de moda um dia. Talvez eu vou tirar isso dos meus dois anos no Waldorf School.
WG: Eu gostaria de ter uma empresa gigantesca que produz todos os tipos de coisas: filmes, música, mobiliário, moda e preservativos.

Vocês ainda podem se lembrar da primeira ver ouviram falar um do outro?
JB: Eu li sobre Tokio Hotel na Bravo.
WG: Alguns anos atrás, um amigo me deu um CD de vocês e disse: olha, isso é uma nova banda alemã. Eu gostei, eu ainda posso me lembrar disso.
Bill: Bem, nós vimos um filme com vocês e percebemos que vocês tem praticamente a mesma idade que nós, é claro. Você começa a prestar mais atenção em seguida, quando você começa a reparar nas outras pessoas.
WG: Quando vi pela primeira vez uma foto dos Tokio Hotel, eu pensei: uau, esses são malucos.

WG (17) e JB (15), são os filhos do ator alemão Uwe Ochsenknecht. Têm vindo a desempenhar os papéis principais nos filmes “Die Wilden Kerle 1-4”. Além disso, JB está lançando seu primeiro álbum “Mission Blue”, o single ” I’m lovin’ (l.r.h.p.)” foi no Top 10 por semanas.

Fonte.

Texto traduzido por Alexia. Se copiar, dê os devidos créditos ao THBR e à tradutora.

Deixe um comentário